Arquivo do mês: dezembro 2008

Iara e Iana em Caruaru

_mg_3751

Caruaru é o maior centro econômico do agreste pernambucano e um dos maiores do Nordeste e se encontra 130 km de Recife. Com cerca de 255 mil habitantes, a cidade é um pólo que concentra indústrias e estabelecimentos comerciais e cuja influência se espalha a outros municípios da região. Não foi por acaso que o Senhor colocou no coração do DT encerrar o ano (20/12) com esta maravilhosa ministração que aconteceu no Palladium, uma das importantes casa de show da região. Fomos ali para profetizar o resgate daquele espaço cultural para Deus, e sendo Caruau um centro econômico profetizar prosperidade espiritual e financeiro no agreste pernambucano.

Eu e a Iana, com parte do grupo do DT, chegamos em Caruaru por volta das 14:00 pm depois de viajarmos 2 horas de ônibus de Recife. No almoço podemos experimentar as delícias da região como um saboroso churrasquinho de bode.

Depois do almoço fomos ao hotel e ali começamos a nos preparar para a ministração. Foi então que ao ler um livro fui levada ao texto da Bíblia; 2 Reis 4 que conta a história de uma mulher viúva que estava sendo ameaçada de ter seus 2 filhos levados como escravos para pagamento de uma dívida. Foi então que o profeta Eliseu pergunta para aquela viúva: “o que é que você tem em casa?”, “um jarro pequeno de azeite”, respondeu a mulher. Eliseu orientou a mulher a pedir emprestado aos seus vizinhos vasilhas vazias e depois de juntar tudo o que podia começou a despejar nelas o pouco óleo que tinha conforme orientação do profeta. O final da história você já sabe, todas as vasilhas foram cheias com a multiplicação do pouco que era o tudo que aquela família tinha.

Compartilhei esta palavra com a Ana Paula ainda no hotel e durante a ministração ela pediu para eu compartilhar com Caruaru esta revelação. Mesmo que pensemos que temos pouco quanto mais vazios estivermos e nos colocarmos diante de Deus, Ele multiplicará nosso azeite. Foi tremendo! Foi liberada uma unção de prosperidade finaceira e espiritual naquele lugar. Foi especial para mim e para a Iana principlamente o fato de nós da dança podermos profetizar com a palavra em uma ministração.

Assim esta palavra é de encorajamento para você adorardor com danças. Busque a Deus e compartilhe com seus líderes, pastores, líderes de louvor aquilo que Deus tem colocadao no seu coração para que em momentos direcionados por Deus você possa edificar outras pessoas com seu movimento e também com as suas palavras.

Deus te abençoe,

Iara Coimbra

http://www.youtube.com/watch?v=UZE1zXY2-OU


Confraternização!

Foi muito difícil, mas conseguimos marcar: ontem, domingo, foi a nossa confraternização de final de ano. E como foi bom! Como foi especial!

Além do pessoal que está hoje no Mudança, a Bel sentiu de convidar pessoas queridas que já passaram por aqui. E lá estavam: Rutinha e Ed, Anderson e Carla, Michelle e Salim, Leila e sua família: Pablo e Sarah!  Aliás, para eles as portas estão sempre abertas! (A Claudinha e o Sílvio infelizmente não puderam comparecer). Tivemos a oportunidade de matar as saudades, conversar muito, estar em comunhão e brincar. Infelizmente nem todos estiveram presentes, mas como é bom estar em unidade…

Independente se você comemora ou não o Natal, é sempre importante lembrar do nascimento de Jesus. É importante também aproveitar as oportunidades para estar próximo de quem se ama. Aprender a valorizar o dia a dia e as ocasiões especiais. E é exatamente isso que o Natal proporciona: essa reflexão sobre o nascimento de Cristo e o encontro com pessoas queridas. Sendo assim, não tem como ser essa uma época ruim.

Vamos interromper as nossas atividades como grupo por enquanto, afinal, todos merecem férias (hehehe), mas o blog continua à todo vapor!

Que o Senhor abençoe você, seu ministério, sua igreja e é claro, sua família!

Feliz Natal!

Cia. Mudança

Ps: Aí vão algumas fotos para vocês desse precioso encontro.

Ps2: Depois dê uma passadinha no blog da Iara. Ela comenta sobre a viagem que fez com o DT para Fortaleza na semana passada, e os encontros preciosos que o Senhor providenciou.

Ps3: Aguardem! Em breve vamos postar estudos específicos sobre dança!

Salim, Michelle, Ed, Ruthinha, Carla, Sarah, Pablo, Ivy e Iasmin.

Salim, Michelle, Ed, Ruthinha, Carla, Sarah, Pablo, Ivy e Iasmin.

Taco, Breno, Manu, Anderson e Fred.

Taco, Breno, Manu, Anderson e Fred.

Andrézinho, Iara, Dri e Henrique.

Andrézinho, Iara, Dri e Henrique.

Os casais! Salim e Mi; Ed e Ruthinha, Iara e Henrique.

Os casais! Salim e Mi; Ed e Ruthinha, Iara e Henrique.

Valdir, André e Bel.

Valdir, André e Bel.

Ivy, Iasmin, Carla, Sarah e Leila.

Ivy, Iasmin, Carla, Sarah e Leila.

Fred e Iana.

Fred e Iana.

Clau e Leiloca.

Clau e Leiloca.

Bel, Lucas e Rê.

Bel, Lucas e Rê.

A turma (quase) completa e seus presentes!

A turma (quase) completa e seus presentes!


Abram os olhos

E aí, galera! A paz do nosso Senhor Jesus.

 

Depois da nossa última reunião, quando a Iana ministrou uma palavra tremenda tomei coragem de escrever sobre o que Deus tem me falado nos últimos dias.

 

A Iana ministrou sobre como Deus tem chamado a atenção de Seus filhos para Ele.

A cada palavra dita eu imaginava várias coisas igual aquele desenho “Fantástico mundo de Bob”. Eu viajava. Até que eu parei para pensar: Deus tem tantas coisas para fazer, tantas pessoas para abençoar e ainda tem tempo para chamar a minha atenção. De alguma forma aquilo veio ao meu coração que nem uma bomba. Aí me veio uma pergunta: o que eu tenho feito para chamar a atenção de Deus?

 

Será que eu tenho chamado a atenção de Deus orando? Ou cantando? Falando lindas palavras? Ou jejuando? Não sei.

 

Porém, infelizmente às vezes chamamos a atenção de Deus de forma negativa, através de pensamentos impuros, rebeldia, desobediência e mentirinhas que para muitos não tem nada a ver. Em geral: PECADO.

 

Deus tem falado muito comigo sobre Apocalipse 2:5:

 

“Lembra-te pois onde caíste e arrepende-te, e pratica as primeiras obras, quando brevemente a ti virei e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres”.

 

Quando senti Deus falando isso comigo eu fiquei louco, porque Jesus está voltando. Ele está vivo e eu não quero perder tudo aquilo que Ele tem para mim por causa do pecado. Falei muito sobre isso na célula que eu lidero. Aquele que esta de pé, cuidado para que não caia.

 

Se você meu irmão esta passando por alguma situação desse tipo, peça a Deus para sondar seu coração. Peça a Ele para lhe mostrar onde você caiu e volte. Arrependa-se, pratique as primeiras obras, volte àquele primeiro amor. Deus espera muito mais de nós do que somente um simples tocar, dançar, cantar, interpretar. Deus anseia por filhos de mãos limpas e coração puro. Deus busca adoradores que o adorem em espírito e em verdade.

 

Galera, Jesus está voltando e isso dá para perceber em tudo o que está acontecendo no mundo e principalmente no nosso país. Eu creio que o fim dos tempos está próximo e se nós não pararmos para refletir em nossas atitudes e se não deixarmos de praticar as obras que não agradam a Deus, estaremos em sérios apuros, perdidos nesse mundo, longe de Deus.

 

Essa palavra é para todos nós, principalmente para aqueles que estão na igreja, que participam de algum ministério, mas continuam brincando com o pecado. Galera, vamos abrir nossos olhos e buscar ter mais responsabilidade com a obra de Deus e viver uma vida reta diante dEle.

 

DEUS ABENÇÕE A TODOS GRANDEMENTE!

 

Juninho


Cuidando dos soldados

Ontem foi um dia muito importante para o ministério de louvor da Igreja Batista da Lagoinha. Foi o último culto do ano que reuniu todos os grupos. Aliás, parte deles. Nem todos puderam comparecer.

A ministração foi liderada pela Lílian Abucater, com o grupo Intimidade, e contou com a participação do Mudança. A palavra dada pelo Senhor através da Lílian foi de encorajamento. Infelizmente muitas pessoas se ferem nos ministério, se desgastam, sofrem, às vezes são perseguidas e acabam desistindo. E foi exatamente para essas pessoas que a Lílian lançou as seguintes palavras: não desistam! E assim foi  o direcionamento de toda a reunião: resgatar e cuidar dos ministros, que são soldados, mas que estão feridos. As pessoas foram ministradas e puderam receber essas palavras de fortalecimento.

O culto foi também um momento do reconhecimento da autoridade do Pr. Daniel Branco como liderança do ministério. Todos os grupos puderam ir até ele, abençoar sua vida e declarar uma palavra. Os líderes também tiveram um momento especial, em que de mãos dadas receberam uma palavra sobre unidade.

Além disso foi enfatizado que estamos entrando em um novo tempo. Um novo tempo como Igreja, como ministérios, como Corpo de Cristo, como líderes, como liderados, como servos do Senhor. E para essa nova etapa é preciso estarmos preparados.

O encontro foi de fato especial e juntos todos puderam louvar, adorar, dançar, ministrar e serem ministrados uns pelos outros. Para nós do Mudança foi um privilégio muito grande estar ali, entre os irmãos da nossa igreja, servindo.

Crendo nas palavras que temos recebido, convictos do nosso chamado, podemos dizer: estamos prontos para esse novo tempo.

imagem-051imagem-038imagem-016imagem-043imagem-033imagem-060imagem-096imagem-061imagem-012imagem-010


Continue a remar!

dsc04711Olá pessoal!!

Estou muito contente por poder compartilhar com vocês a experiência que vivi nestes dias. Desde o início deste ano tenho aguardado em Deus por alguma experiência nova, um novo mover e alguma direção e orientação a respeito da minha vida: família, ministério, profissão enfim, todas as áreas. Creio que assim como eu, todos que acreditam em Deus esperam que Ele interfira de alguma maneira em nossa vida, não é mesmo?

Também não conseguimos compreender bem o porquê que situações difíceis e angustiantes acontecem conosco, os filhos de Deus. Entendo que às vezes achamos que pouco Ele têm feito talvez por não conseguirmos reconhecer Suas intervenções; ou por não sentirmos Sua presença; ou por estarmos tão apressados para uma resposta que simplesmente não atinamos para aquilo que está acontecendo a nossa volta, já que julgamos demorar muito e passamos a acreditar que aquilo que oramos ou ouvimos “não era de Deus”.

Há algumas semanas estive orando a respeito disso, pois não conseguia suportar a ausência de respostas ou o “suposto silêncio de Deus”. Mas graças ao Senhor que realmente era apenas uma suposição. Esta semana no encontro do Mudança, Deus, de uma maneira maravilhosa, compartilhou conosco através da Iana um texto do Max Lucado (o livro Ouvindo Deus na tormenta) e uma passagem bíblica sobre esses temas já citados (Jesus andando sobre as águas).

Carinhosamente Deus elucidava em nossos corações o seu consolo, já que não era apenas eu que estava passando por este tipo de ansiedade. Além disso, durante o compartilhar da Palavra, Deus foi me trazendo a memória momentos que eu havia deixado despercebidos e que Ele, de uma maneira graciosa, já havia me falado eu deixei passar batido. O Senhor já havia me falado através do rádio enquanto estava dirigindo; através do último seminário e que eu havia esquecido ou que simplesmente não dei muita atenção (pode uma coisa dessas???!!!!), de orações e convicções de projetos pessoais que havia feito, da oração que meu irmão Gleison fez em minha casa e até mesmo através da Clau, minha esposa ,enquanto conversávamos. Como Deus é insistente em Seu amor, o encontro foi mais uma maneira maravilhosa em que o Altíssimo chamou nossa atenção para voltar a ELE e perceber o que Ele queria.

Juntei as peças e finalmente reconheci que Deus estava me falando há muito tempo e que não estava percebendo. ELE me falava sobre um novo tempo em minha vida que eu ainda não havia experimentado. Mas o que seria isso? Como seria? E quando iniciaria? A resposta não demorou muito.

No último fim de semana fui a uma confraternização de final de ano de uma clínica que trabalho no centro de BH, substituindo uma dentista que é mamãe recente, e ganhei um livro de um colega que não é crente. O livro chama-se A CABANA (William P. Young) e a princípio não liguei muito, pois era um livro de ficção aparentemente secular, mas depois do encontro de quarta feira resolvi começar a lê-lo. Pensei : “vai ver que é Deus querendo me chamar à Sua presença de alguma maneira”, e foi mesmo.

Ao começar a lê-lo confesso que quase desisti, pois se tratava de uma situação tão trágica com a filha do protagonista que eu como pai recente não gostaria nem de pensar. Porém cri que devia continuar a remar (como os discípulos em sua travessia sob a ordem de Jesus) e obedecer àquela disposição que Deus colocou no meu coração para ler aquele livro. Fui interceptado pela presença do Espírito Santo sob as águas turbulentas daquela estória e percebi que a ação de Deus naquele livro podia ser tudo, menos ficção. Deus começou a quebrar áreas de religiosidade em minha vida que supunha não ter, Ele respondeu a perguntas e me saciou com Sua presença de maneira a muito não experimentada, Ele me curou a alma e me deu a medida de fé necessária para topar este novo tempo que está profetizado sobre minha vida. Basta apenas continuar a remar, só que agora completamente renovado.

Continuem a remar, meus irmãos, algo vai acontecer, apenas creiam e obedeçam.

Breno


Dando importância ao que realmente é importante

toller1Bem, depois de ler o post da Clau e de termos conversado sobre ele no nosso último encontro do Mudança eu lembrei de algo que Deus tem me falado nos últimos meses e a Iana me encorajou a escrever sobre isso
Então vamos lá, né…
 
Quando entrei no CTMDT em 2005 (puxa, já passou um tempinho) tinha muitas expectativas. Principalmente ministeriais. Acreditava que havia chegado o tempo de todas as promessas de Deus se realizarem. Foram dois anos desafiadores em T O D O S os sentidos. Não teve glamour nenhum. Quando terminei o curso estava tão desacreditado que algo poderia acontecer que já me resignava a voltar para casa e viver frustrado. Mas Deus não brinca conosco.

No dia da minha formatura recebi um convite inusitado. ENTRAR PARA O MUDANÇA! Uau… eu nem dormia. Isso por duas razões: de felicidade e preocupação. Felicidade porque estaria em um ministério nacionalmente reconhecido e referência para muita gente, como era para mim. Nunca tinha trocado um “bom dia” com a Isabel. Vi com isso que não adianta termos um super talento ou não. Só Deus pode abrir portas. O nosso dom não é capaz de fazer, por melhores que possamos ser. Acho que a Bel nunca tinha me visto ministrar. Foi Deus que falou e fez tudo. A minha segunda preocupação foi como me manter em BH sem emprego e sem mantenedores. Mas Deus não brinca em serviço, faz tudo cooperar para Seu propósito. No dia que aqui desembarquei já tinha emprego, salário e casa. Minha mãe só agradeceu!!!!

Durante o meu primeiro ano no Mudança dancei na gravação da Nívea, havia acabado de solar no DVD do CTM, viajei para ministrar e parecia que tudo estava do jeito que qualquer pessoa sonhava viver. Certo?… Não! Quando voltei para casa de férias Deus me chamou na “chincha” (no canto) e me mostrou o quanto eu estava errado com relação a importância dessas coisas.

Em casa minha família não é evangélica, niguém tá nem azul para Mudança, Diante do Trono, eles nem sabem quem é esse povo. E aí Deus me falou: “Felipe, você é mais do que as coisas que você faz. Olha para a sua casa, eles são as pessoas que realmente sabem quem você é. O que gosta de comer, o que gosta de fazer e você não tem que agradá-las para que elas o amem. Aqui você pode ser simplesmente o ‘Pimpão’ que gosta de dormir até tarde, comer depois da meia noite, falar bobeira sem que ninguém fique esperando uma palavra profética ou uma dança que liberta ou um oficina que capacita. Seja você mesmo e dê importância ao que realmente é importante”.

Puxa vida, foi libertador. Meeeesmo!!!! Como era bom assistir ao Jornal Nacional com a família, comendo pão da padaria da esquina com leite MOLICO (as mulheres da minha casa vivem de dieta).

Percebi que dava muita importância a coisas que os homens acham importante. O grande de Deus não é a evidência, o reconhecimento, dançar com a Nívea Soares no palco. Nada disso. Isso tudo foi bom e ainda é. Mas, meu irmão, eu não troco minha casa, meu sonho de ser comissário de bordo… isso mesmo AEROMOÇO… ficar lá servindo suquinho e barrinha de cereal, por nada. Se é isso que Deus tem para mim, é isso que quero viver. Se amanhã eu nunca mais pisar num palco, ou der uma oficina em um outro lugar, gravar um DVD, sei lá, tudo isso que 11 em cada 10 pessoas gostariam de fazer… se eu nunca mais fizer isso, eu serei a pessoa mais feliz do mundo. Vivemos sonhando com coisas grandes, não é. Mas o que Deus quiser para mim, isso será o grande dEle. 

No congresso do Diante do Trono desse ano de 2008 eu recusei o convite de estar ministrando com o Mudança (família que amo muito muito muito de verdade verdadeira) para estar em casa balançando na rede, beijando minha sobrinha maravilhosa (Julinha, te amo), e me entupindo de comida boa. Eu estava muito feliz.

Queridos, todas as coisas são passageiras. Não negociem o que vocês são e o que têm com nada que os outros, ou até você mesmo, acham que tem valor. Se Deus te chamou para ficar dançando aí na sua igreja de bairro pequeno, que tenta a todo custo fazer um seminário, com gente que parece um pau se mexendo…rsrsrs, se alegre! Ame essas pessoas, viva esses desafios e louve a Deus pela vida que tem, pois isso é que realmente é importante. Se você nunca chegar a dançar em um palco ou com gente conhecida… isso é o grande de Deus para você. Queira viver o “grande” dEle. Dê importância ao que realmente é importante. Faça e viva o que Ele tem para você.
 
Um abração,

Felipe Toller


Voltando e indo para o Campo

Me pediram para escrever sobre a minha experiência missionária em julho deste ano que perdurou até o fim de agosto, durante as Olimpíadas de Pequim. Fui para a China, acompanhando uma equipe do ministério Atos de Justiça, em parceria com a Missão Horizontes. O Atos de Justiça é liderado pela Lílian Abucater, que também é coordenadora do curso de Missões do CTMDT, onde trabalho.

Sem dúvida fui marcada de diversas formas. Sempre achamos que nós que iremos abençoar, porém Deus mudou bastante esse meu conceito. Pensava assim pois fui para um local onde aconteceu um terremoto muito grave em maio deste ano. O terremoto arrasou a região, destruindo escolas, lares, além de ter gerado muitas vítimas. Contudo, ao chegar lá, me deparei com pessoas sorridentes e corajosas. Essa situação nos ensinou. Sinceramente, eu não tinha essa imagem dos chineses, que foram tão cordiais.

Nosso trabalho aconteceu em toda a China (eram quase 100 missionários que foram subdivididos em pequenos grupos) , norte, sul, leste e oeste. Fomos para uma vila que foi uma das mais afetadas, e não sabíamos muito o que fazer. Pedimos a direção de Deus para que Ele preparasse o “terreno espiritual” para que nós trabalhassemos no “natural”. A estratégia que o Senhor nos deu foi sair pelas ruas de manhã fantasiados com perucas, apitos, atraindo as crianças. Elas rapidamente nos seguiam para uma praça onde desenvolvemos os trabalhos. Fizemos pinturas, artes em balão, teatros, danças, dinâmicas, jogos esportivos, sempre aplicados a um princípio cristão. Não podíamos falar diretamente de Jesus. Evangelizar crianças na China é um crime federal. Enquanto fazíamos as dinâmicas orávamos pelas crianças em espírito e as tradutoras aproveitavam a oportunidade para conversar com as mães.

Essa questão da perseguição aos cristãos é tão séria que só podíamos levar uma Bíblia de uso pessoal na bagagem. Aliás, a perseguição acontece a qualquer grupo que possa vir a ameaçar a ordem e autoridade do governo chinês. Por causa das Olimpíadas, que acabaram abrindo as portas da China para missionários de todo o mundo, as autoridades tinham medo do que podia acontecer. E realmente aconteceu! As nossas dinâmicas com as crianças, que duraram uns cinco dias, sempre atraíam mais pessoas. Era um número crescente! E às vezes policiais compareceram para ver o que estávamos fazendo. Era um trabalho de muito risco. As igrejas perseguidas existem porque as chamadas “igrejas oficiais”, que são catalogadas pelo Estado, não podem pregar sobre algumas partes da Bíblia, como por exemplo, a volta de Cristo. Essa mensagem significa que existe alguém maior do que eles.  Falar sobre o fluir do Espírito Santo também não é permitido. Mas as igrejas perseguidas não se curvam a essa determinação. E são os membros dessas igrejas, os chineses que moram ali, que realmente sofrem as ameaças constantes pela sua fé. Se um turista é pego evangelizando, ele é preso e deportado. Mas a punição para o cidadão é muito diferente e muito pior. Por isso que a atitude de um cristão estrangeiro ali é muito séria, porque pode comprometer um trabalho de anos desenvolvido pelos próprios chineses e por missionários a longo prazo. Por exemplo, fomos orientados a não panfletar. Um grupo estrangeiro o fez e a polícia chegou até o casal local que era o contato. Eles foram presos e torturados por causa da imprudência desses irmãos. Definitivamente o nosso grupo não queria criar esse tipo de situação, então respeitamos o povo e buscamos ao Senhor pelas estratégias corretas.  As autoridades possuem um controle de toda a cidade, mas Deus controla todas as coisas. E assim tivemos a alegria de ver muitas crianças se convertendo a Cristo.

A minha experiência com a dança na China foi bem diferente. Fui para fazer várias coisas, não só dançar. Ajudamos até a decorar uma escola com temas bíblicos!

 Aliás, dançar foi o que menos fiz. Montamos algumas coreografias bem brasileiras para chamar atenção das pessoas, criando um momento cultural de descontração. O mundo em geral ama a cultura brasileira. Em alguns momentos me foi pedido também para dar oficina de samba para os adultos chineses. Isso quer dizer: mulheres, homens e até idosos. Todos queriam aprender a sambar! Por meio destes momentos eu criei sequencias adorando a Deus, profetizando que aquelas pessoas que estavam fazendo a minha aula, copiando meus gestos, estariam um dia reamente adorando a Jesus. No inconsciente era isso mesmo que eles estavam fazendo. A dança profetiza.

Voltando um pouco no tempo, posso dizer que momentos antes de embarcar para a China me veio muito medo. Mais do que isso: a certeza de que eu não iria voltar, que eu iria morrer ali. Um sentimendo de saudosismo do Brasil, dos meus amigos e família. Sem entender muito bem esse sentimento procurei a Cléo Russo para conversar. Ela me disse que normalmente, antes de uma viagem missionária desse tipo, às vezes Deus nos dá uma certa identificação com os obreiros locais para realmente compreender e orar. E é tão interessante porque depois que ela me falou isso, outras pessoas que estão indo para o campo compartilharam desse mesmo sentimento.

Termino esse relato encorajando cada um de vocês a buscar a servir a Deus não só por meio da dança, o que Ele também pode fazer. Não fui para essa missão na China para dançar. E isso me alegrou muito porque pude fazer outras coisas, mas ainda assim Deus também me usou por meio do meu talento.

Muitas vezes as pessoas quando nos vêem falando sobre essas viagens a outros países não imaginam, mas eu arquei com todos os meus custos. Eu investi todas as minhas economias para servir ao Senhor em outra nação e abençoar aquelas vidas. Eu sabia que Deus estava me chamando para ir, e ir não somente com meu corpo, mas também com as minhas finanças, com o meu dinheiro. E o mais interessante é que assim que eu voltei eu recebi uma oferta, que é exatamente o valor para a minha próxima empreitada missionária. E lá vou eu de novo para o campo: com meu corpo e minhas finanças.

Hoje, termino esse texto e vou novamente fazer as malas. Dessa vez são três países que me esperam: Itália, Alemanha e Holanda. São países muitas vezes criticados quando as pessoas falam que vão ali para fazer missões. Afinal a Europa é um continente rico. Mas Deus quebrantou o meu coração para ver com os olhos dEle. Quando me convidaram para integrar essa equipe, eu tinha também a possibilidade de servir na África, que logo eu quis ir. Afinal de contas era um continente pobre, necessitado. Mas Deus, por meio de Jeremias 1, me direcionou a reconstruir os muros das cidades dos “meus pais” – pais na fé. A Europa está necessitada espiritualmente. Além do mais, quando fui conversar com o líder dessa equipe que estou acompanhando, ele me mostrou que o grupo que ia para a África estava mais completo. Lá eu iria ajudar de uma forma mais geral, porém na Europa de uma forma mais específica com as artes. 

Bom, isso é o que veremos! rs

Isa Coimbra

A Arca de Noé! - Nova decoração da escola!

A Arca de Noé! - Nova decoração da escola!

Leão e o Cordeiro!

Atividade de pintura na praça.

Atividade de pintura na praça.

Senhoras chinesas

Tendas nas ruas usadas como casas após o terremoto.

Tendas nas ruas usadas como casas após o terremoto.

Enquanto brincávamos com as crianças, as mães esperavam atrás.

Enquanto brincávamos com as crianças, as mães esperavam atrás.

Mais atividades! Usamos o principio da unidade.

Mais atividades! Usamos o princípio da unidade.

dsc09770

Preparando a nova decoração para a escola.

Preparando a nova decoração para a escola.

Carol e eu.

Carol e eu.

Banheiro tipico oriental.

Escola em reconstrução.

Escola em reconstrução.